PEITA na luta contra o câncer de mama

Marca protesto se une a Fundação Laço Rosa para proporcionar formação, informação e acolhimento para pacientes com câncer

fundação laço rosa

Em outubro, a PEITA lança a versão branca com a escrita em rosa da clássica “Lute Como Uma Garota”. Todo o lucro das vendas será destinado à Fundação Laço Rosa, uma instituição sem fins lucrativos, destaque dentro e fora do país, na disseminação da informação de qualidade, na influência de políticas públicas para o câncer de mama e na defesa de direitos de pacientes e resgate da autoestima.

O que motivou a presidenta da PEITA, Karina Gallon a unir forças foram os programas e ações da instituição. A mais recente, lançada este ano é a 50 Tons de Rosa, uma campanha que visa debater a sexualidade da mulher em tratamento. “Ouvimos muitas pessoas falando sobre autoestima, falando apenas do físico, mas esquecem da vida sexual. Gozar melhora o sono, reforça o sistema imunológico, libera endorfina, substância química que diminui o stress e levanta o astral dessas mulheres. Um dos problemas é que a maioria dos médicos são homens e não tem conhecimentos sobre o assunto ou tem vergonha de falar sobre”, explica Karina.

Para lançar a campanha, a marca realizou uma live nas redes sociais para dialogar sobre sexualidade da mulher em tratamento do câncer de mama. Participaram do bate-papo a presidenta da Fundação Laço Rosa, Marcelle Medeiros; a enfermeira, paciente e consultora de produtos eróticos, Fernanda Muniz e as advogadas Nancy Rolon, que está em tratamento e Constance Modesto, que tem um canal no instagram para trazer informações legais.

As camisetas serão vendidas entre outubro e dezembro, apenas através do site, e todo o lucro será destinado à Fundação Laço Rosa. “Precisamos ser mulheres que incentivam outras mulheres”, reforça a presidenta da PEITA. Poucas pessoas sabem que a maioria das frases comercializadas pela marca curitibana PEITA são parcerias. O lucro ou parte dele é destinado a organizações, projetos sociais, festivais que incentivam mulheres e/ou manas que precisam de apoio para continuar militando ou nos presenteando com sua arte.

Sobre a Laço Rosa
Desde 2011, o Banco de Perucas Online faz doações gratuitas a pacientes em quimioterapia. Nesses sete anos, mais de seis mil mulheres receberam uma peruca embalada em papel presente, com mimos e cartas de incentivo escritas por pessoas que já passaram ou passam pelo menos que elas. O fluxo só não é maior, por falta de patrocínio.

Outro projeto pioneiro é o “Rosas do Morro”, que leva a comunidades carentes informações sobre a doença e os direitos da mulher. O site da fundação, uma plataforma interativa, é uma fonte segura de conteúdo sobre o tema e traz desde artigos científicos a comportamento. Há dois anos, desenvolveram o curso “Força na Peruca”, um programa de qualificação profissional em perucaria. O projeto já formou três turmas de profissionais oriundos de comunidades carentes do Rio de Janeiro para a confecção de perucas. Em 2017, o projeto ganhou itinerância e a capacitação aconteceu em outras quatro cidades brasileiras (Curitiba, Goiânia, Salvador e São Paulo), onde uma truckvan adaptada foi um posto de coleta de cabelos e doação de perucas.

“Percebemos que formar profissionais peruqueiros era fundamental para a sobrevivência do projeto do Banco de Perucas. Esses alunos ganham um ofício, recebendo todas as orientações para fazer desse aprendizado um negócio, e a contrapartida é destinar parte da produção à Laço Rosa. Ano a ano, recebemos centenas de doações de cabelos, pois já somos referência em todo o Brasil. Mas isso não basta: é preciso criar um fluxo e também uma participação mais completa nesse processo de doação. Sem isso, o projeto não é capaz de se sustentar”, reforça Marcelle Medeiros, uma das fundadora e presidente da instituição.

Ajude
Adquira sua PEITA branco com a estampa em rosa e ajude a Fundação Laço Rosa a continuar com seus projeto de informação e acolhimento. Quero comprar a minha PEITA. 


1 comentário

Andréia Moura

Amei essa união, gostaria de saber o valor da camisa? Também estou em tratamento. C A mama.

Deixe um comentário