GUIA SENSUAL DE SEGURANÇA DIGITAL

Como mandar nudes de forma segura. Sim, você leu certo, é possível. Exige um pouco mais de dedicação no processo de envio e escolha de aplicativo, mas vale a pena. Nada como sensualizar e se sentir segura ao seduzir. Quem organizou esse guia no formato de zine foi o coletivo Coding Rights.

Lembrando que o compartilhamento de fotos e vídeos íntimos sem consentimento é crime, previsto no artigo 218-C no Código Penal, lei 13.718/2018.

Ps. Se você for do tipo de boy que manda foto de pau sem ser solicitada, isso não é legal. Sabemos que o sistema patriarcal disse/mentiu pra você que o mundo gira em torno do falo, ergueu obeliscos em toda maldita praça apenas para afirmar a masculinidade frágil dos machistas, mas lamento lhe dizer que é mentira. Repita comigo: não vou mandar fotos de pau sem alguém ter solicitado.

 

Safer Nudes – Guia Sensual de Segurança Digital

Fazer e mandar nudes é um direito e também pode ser uma prática de resistência prazerosa contra o machismo, o conservadorismo, o racismo e a heteronormatividade. Publicá-los ou não deve ser uma escolha exclusivamente sua, no exercício do seu direito à privacidade. Por isso, aqui estão algumas estratégias e ferramentas que podem nos ajudar a espalhar nossos nudes por aí de forma um pouco mais segura.



( • ) AUTOCURTIÇÃO


Use a câmera do seu celular pra trabalhar seus melhores ângulos. Ninguém melhor que você pra descobrir esse caminho. Fotografe intensamente e tenha a confiança de que não há regras ou constrangimentos estéticos em jogo. Um nude não precisa ser necessariamente uma foto pornográfica ou das partes mais imediatamente associadas ao sexo. No papel duplo de câmera e modelo, é você quem diz o que vale e o que não vale. Sinta-se totalmente confortável e sexy.



( • )  ANONIMIZE!


Caso os nudes sejam destinados a alguém que você não confia totalmente, é bom tomar cuidado para não mostrar seu rosto, tatuagens, marcas de nascença, cicatrizes, móveis da sua casa etc. A internet fez de todos nós stalkers e você nunca saberá os limites da síndrome de detetive de alguém. Existem aplicativos, como o Obscuracam, que pixelizam rostos e alteram detalhes da foto que não queremos mostrar. Toda vez que você tira uma foto, ficam marcados dados de localização, horário, tipo de dispositivo e outras informações que podem servir para te identificar - são os chamados metadados. Existem editores de metadados, como o Photo Exif Editor (disponível para iPhone e Android), que apagam ou modificam essas informações e são fáceis de usar.



( • ) USE CANAIS "SEGUROS" NA HORA DE COMPARTILHAR


Um aplicativo realmente confiável combinaria: encriptação ponta a ponta; bloqueio de screenshot; fotos e mensagens autodestrutivas nos dispositivos e servidores; login sem necessidade de email, telefone ou nome real; bloqueio da lista de contatos; e código aberto do app - combinação que não encontramos em nenhum dos aplicativos citados aqui. Tudo que testamos até agora tem suas vantagens e riscos. O importante é você conhecê-los e saber o que está em jogo na hora de usá-los.

Evite mandar nudes por SMS, iMessage, Whatsapp, Telegram, Facebook (pelo amor das deusas), Tinder, Happn ou qualquer outro aplicativo de chat que vá mostrar seu número ou deixar o arquivo ser facilmente salvo por quem recebê-lo. Também é melhor evitar aplicativos que não usam criptografia ponta a ponta, já que isso facilita que terceiros interceptem o canal e bisbilhoteiem o que não devem. Aplicativos como o Conde e o Wickr têm esse tipo de criptografia e fazem que suas fotos se autodestruam imediatamente depois de vistas. Com algum malabarismo, é possível printar a imagem no Conde e no Wickr, mas você será avisada caso aconteça. No Conde, a foto só é revelada parcialmente conforme você desliza o dedo sobre ela, o que ajuda a dificultar a identificação. Com o aviso de print, você fica sabendo quem tentou trapacear. Esses dois aplicativos permitem que você se cadastre sem associar seu número de celular. Lembre-se que associar sua conta com o Facebook ou Gmail automaticamente associará seus nudes a elas.



( • ) DESCONFIE E USE SENHAS FORTES


Use senhas fortes (de preferência usando palavras longas, em línguas diferentes, com números e alternância entre caixa alta e baixa) no bloqueio de tela e, se possível, criptografe seu telefone (Android e iPhone). Não forneça sua senha a ninguém e sempre desconfie se alguém em quem você não confia te pedir o seu celular emprestado. Uma pessoa mal-intencionada pode roubar tuas fotos e instalar apps que te "espiam". Tome cuidado ao usar conexões WiFi compartilhadas em lugares públicos; elas podem ser armadilhas para roubar seus dados. Se for inevitável usá-las, procure sites e apps que forneçam conexões criptografadas (identicados com httpS na barra de endereço) ou baixe um aplicativo de VPN, como o Bitmask (disponível para Android) ou o OpenVpn. Por último, não se esqueça que toda foto enviada para um app é enviada para um servidor de uma empresa ao qual você não tem acesso, mas a empresa e o governo têm. Apesar de muitos aplicativos prometerem segurança, sabemos que vazamentos de informações podem acontecer.


( • ) DELETE OU ESCONDA BEM


Aceitar a efemeridade da vida e apagar tudo imediatamente depois de usar é a forma mais segura de evitar surpresas. Mas guardar os nudes em uma pasta criptografada no seu computador também é uma boa opção. Lembre-se de que seu celular pode criar backups das suas fotos em vários lugares e é sempre importante checar cada recôndito. Um aplicativo que ajuda a apagar os traços de seus arquivos é o Ccleaner, disponível para Android, Windows e Mac OS. Se for salvar suas fotos no computador, assegure-se de que a pasta está criptografada e que só você tem acesso à senha (ou frase-passe). O estado da arte - que protege sua bunda até da NSA - é usar a suíte PGP. Tem pra Windows, Linux ou
MacOs. É só criar as chaves, guardar sua chave privada, distribuir sua chave pública e usar sempre que transmitir ou guardar seus arquivos.


( • ) EXPOSTA NA TIMELINE


Ter seus nudes publicados pode não ser necessariamente ruim, desde que isso seja uma decisão sua. Se é você quem publica e banca essa atitude, ninguém deveria poder usar isso contra você. Mas, infelizmente, ainda não chegamos lá. Além de maravilhosos, nossos nudes também podem provocar uma discussão importante sobre nossos corpos e nossos desejos de como olhá-los, exibi-los e usá-los. Se apropriar e ressignificar a linguagem pornográfica - avassaladoramente machista - para nosso próprio protagonismo e prazer tem que ser um caminho possível. 


Se este guia te fez parar o trabalho pra mandar uns nudes, lembre-se destas humildes palavras: Pose, fotografe, encripte e peça a proteção da nossa senhora das perseguidas.

 

 

( • ) 

O coletivo Coding Rights traz outras discussões sobre privacidade e nudez no “Safer Nudes – Guia Sensual de Segurança Digital”. Confira aqui a página 1 e a página 2, imprima e distribua.

Ilustrações .Petites Luxure.

 

( • ) 
peita.me
@putapeita
/putapeita

Deixe um comentário